ASemana 36 anos.png
ASemana 36 anos.png
  
Zuquelo.png

Animais

É crescente o número de animais domésticos que são mantidos pelas famílias, mesmo nos centros urbanos, pelo fato dos benefícios que os animais propiciam ao ser humano.

   Constitui conhecimento científico as vantagens advindas da relação do homem com os animais, estabelecendo-se invariavelmente um afeto recíproco, importante para a qualidade de vida humana e para o tratamento de patologias físicas e emocionais.

   Frequentes são os relatos de comportamentos marcantes de cães em relação aos seus donos, como é o caso daquele animal que acompanhou seu amigo humano em internamento hospitalar, permanecendo em vigília junto à porta do hospital; ou daquele cão, conforme noticiou a imprensa argentina, de nome "Capitán", e que, por quase onze anos, visitou diariamente, às 18 horas, o túmulo de seu dono e amigo, até a morte do devotado animal.

E assim são muitos casos que revelam algo mais do que instinto no comportamento de animais e que emocionam, levando o mais adiantado ser da natureza a reflexões.

   Esses fatos são significativos ao ser humano, que, por vezes, em seu egoísmo, não tem a capacidade de amar e de ser fiel como um cão. Aprende com o animal, seu inferior na criação, o afeto verdadeiro, a lealdade, o devotamento e etc.

   Isso demonstra a solidariedade existente na natureza, em que os seres vivos beneficiam-se reciprocamente e cooperam uns com os outros. Os animais, embora destituídos da razão, situando-se ainda nos domínios do instinto, demonstram claramente sentimentos nobres, como vem a ser o devotamento para com seu tutelar humano, recebendo deste o afeto em retorno, bem como outros benefícios para a vida animal.

   Para os adeptos da teoria evolucionista, esses comportamentos de certos animais, que desconcertam os humanos, são indicadores da evolução das espécies, abrindo-se a perspectiva de que os animais possam avançar além dos instintos, como vem sendo demonstrado amiúde, alcançando sempre mais estágios da razão e do sentimento. Também levam a pensar sobre a imanência divina - Deus em tudo - que não pode ser rechaçada diante das evidências de sentimento afetuoso de um cão. Sem o intuito de polemizar com a ciência ou com a religião, o fato é que o homem aprende com os animais, sendo tocado, muita vez, em seus encastelados sentimentos pela demonstração de afeto de um cão ou pela amizade de seu cavalo, tornando-se assim mais dócil com toda a vida que o rodeia, homens, animais, vegetais, mais a água, o ar...


Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711