ASemana 36 anos.png
ASemana 36 anos.png
  
ARMADILHAS DA LÍNGUA

Palavras têm poder?

Por Kátia Zílio

Palavra tem poder... Você já deve ter ouvido isso em algum lugar, não é leitor?

As escolhas das palavras que dizemos podem motivar ou desmotivar alguém...

É sempre bom ouvir um elogio, mas quando isso não é possível, quando o objetivo não foi atingido ou mesmo quando erramos, é imprescindível que as pessoas que estão perto de nós tenham sensibilidade e usem as palavras de modo a não nos deixar ainda mais tristes.

Essa é uma das funções do líder, aquele que motiva e impulsiona para que sejamos sempre melhores, mesmo quando estamos com dificuldade para fazer aquilo que esperam de nós.

Dizer que alguém errou, não soube fazer, foi incompetente, ou qualquer coisa parecida com isso faz mal para quem ouve e também para quem diz.

As palavras têm energia e espalham os sentidos, porém não o fazem sozinhas... O sentido não advém só das palavras que dizemos... Há o discurso...

O discurso é efeito de sentido entre interlocutores, então não é possível dizer uma coisa boa com um olhar reprovador... O olhar será mais significativo do que as palavras.

Nosso corpo todo fala junto conosco, por isso é difícil mentir por inteiro... Sempre há um olhar, um rosto corado, uma mão nervosa que pode denunciar aquilo que não queremos dizer, mas o fazemos pelo sentido construído além das palavras.

É preciso dizer, e dizer é preciso, hoje e sempre, mas é preciso fazê-lo por inteiro...

Será isso possível?

Temos tanto a dizer e quando o fizermos que queiramos fazer sentido... Que possamos, com palavras, olhares, mãos, corpo e mente, dizer o que motiva, o que impulsiona, o que inspira, o que ajuda, o que estabelece novas e profícuas frequência do bem.

Afinal, de armadilhas, bastam as da língua...

  Que palavras e gestos sejam para novas, velhas e profundas relações humanas.


Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711