ASemana 36 anos.png
ASemana 36 anos.png
  

Sussurrar... Sussurrofone


Foto: Simone Dias Azevedo/

Tempo em que os sussurros também parecem estar em extinção. As pessoas de maneira geral, crianças, jovens e adultos parecem falar em um volume cada vez mais alto. Quase aos gritos.

Quando a minha, agora nossa sala de trabalho, ( Tatiane e Sulisia), a Sala de Recursos Multifuncional está aberta, sinaliza estar liberada para que as crianças com interesse venham conhecer ou brincar. Pois um dos objetivos é que seja vislumbrada não como uma ilha dentro da Escola, mas como um espaço atraente onde todos gostam de estar e/ou frequentar.

É a sala onde realizamos atendimentos educacionais especializados para estudantes com deficiência, autismo ou altas habilidades ou superdotação. Também ali ocorrem muitas reuniões com a equipe pedagógica, familiares, professores e demais profissionais envolvidos. Pode-se denominar "Espaço Movimento Articulador" por e para uma Inclusão na Perspectiva da Educação Especial.

Razão pela qual contempla vários recursos atraentes para as crianças que chegam aos anos iniciais, ou até para coleguinhas interagirem. Por várias vezes brincam em alto tom. Quando questionados respondem que os "gritos ao brincar/jogar pedagógicos" representam a alegria que estão sentindo. Diferente de outros gritos que geralmente representam conflitos onde corpos físicos estão próximos e os corações distantes.

Podemos também acreditar que os sussurros estão em escassez pela dificuldade em "ouvir o outro" cada vez mais presente em todas as faixas etárias. Mas o que dizer dos estudantes que não conseguem se expressar oralmente?

(Foto: Sulisia Westphal) /

Foi assim que a Professora Auxiliar de Educação Especial, Simone Dias da Escola Básica Virgílio dos Reis Várzea, Canasvieiras, Florianópolis trouxe-nos a novidade denominada SUSSURROFONE. Ideia aprovada que encontrou na Internet e construiu voluntariamente: comprou os canos de PVC, as peças necessárias, serrou, colou e presenteou. O objetivo do recurso foi para um estudante específico, Roberto Tadeu Xavier, e sua turma, na tentativa de que o ouvir sua própria voz, contribuísse no desenvolvimento de sua fala. Geralmente ficam motivados, encantados ao perceberem-se emitindo sons, sílabas, palavras, frases. Como toda novidade, quando a conhecemos, parece que passamos a ouvir falar muito sobre a mesma, talvez bem próxima de nosso contexto. Mas até alguém materializar e apresentar a novidade ela era desconhecida.

Sabe-se também que é um excelente recurso para melhorar a leitura de uma turma em que cada um "sussurra e ouve a sua própria leitura". Também ajuda na timidez, na pronúncia, na leitura coletiva. Cada criança se ouvindo está sendo uma forma divertida e aprovada em várias salas de aula.

A dica é:

Conhece algo novo? Acredita que vai fazer bem em ser compartilhado? Clique já. Com certeza existe alguém necessitando da nova possibilidade, ou pelo menos ampliando seu olhar sobre algo que já conhecia, mas não imaginava tamanha contribuição ali inserida.

Como fazer?



Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711