37 anos.png
37 anos.png
  
OPINIÃO

Mas olhe agora, que avós vemos?

Ser avó hoje, é ainda para muitas crianças sinônimo de felicidade.

Por Sulísia Westphal Román


(Imagem: arquivo pessoal)

Hoje, vinte e seis de julho, "Dia das Avós, confesso que hesitei em conectar o tema. Mas diante das inúmeras mensagens que vi transitando nas redes sociais percebe-se meu/nosso segmento de avós 2020 ainda sem um perfil definido.

Estamos longe daquela conhecida imagem da vovozinha de touca, óculos e camisolão engolida pelo lobo mau. No entanto, ainda persistem na maioria das mensagens definir-nos.

O Bitmoji com certeza é um dos aplicativos mais utilizado para se comunicar com a família e os amigos. Hoje temos avós em teletrabalho/trabalho remoto, em lives em reuniões por meet, por zoom, por transmissão. Os óculos na maioria das vezes substituído por lentes de contato ou por cirurgias corretivas. Curiosamente hoje a maioria das avós é uma profissional atuante com pouca ou nenhuma agenda para os netos. Só em feriados e final de semana.

Somos avós que fazem caminhadas, frequentam academias e que agora tentam se reinventar para manter os relacionamentos à distância.

As roupas, os cabelos, as maquiagens, o estilo do cotidiano se confundem com o de seus netos...Muitas trocas. O interesse por receitas e aprender truques culinários já acontece dos pequenos aos grandes. Em tempos de distanciamento social foram aprendendo e experimentando tantas receitas que facilitam as trocas. Existe interesse em participar do cardápio desde as frutas, verduras e oleaginosas até o prato principal.

Ser avó hoje, é ainda para muitas crianças sinônimo de felicidade. Um ambiente onde o sim predomina. Aqui em casa, por exemplo, existem pouquíssimas coisas que neto não pode fazer: desmontar o sofá, subir na mesinha da sala e ficar correndo depois das 22 horas para evitar reclamação pelo interfone. Reproduzo com eles a liberdade que sempre tive na casa de minhas duas avós na infância.

Agora vou para a sessão remember: 

Muita saudade das nossas programações: Gostamos de montar um hotel na sala, uma big cama em que cabemos todos bem juntinhos, pois já a família vem aumentando e uma cama king já não comporta a todos. Tentamos chegar a um consenso para assistir um filme ou desenho animado.

Outro movimento saudoso são as expedições noturnas. Já não lembramos da última.

Objetivos principais

Gosto de dar asas a imaginação em qualquer atividade disponibilizada. Aprecio e tenho o hábito de valorizar qualquer obra infantil desde desenhos, tirinhas de histórias, letras, e agora o "lettering". Fico impressionada com a criatividade e bom gosto nas pequenas coisas.

Como faço pequenos áudios e vídeos para cada um de meus estudantes da Educação Especial, também gosto de fazer para eles.

Sonhos

Com tudo que venho aprimorando no uso das tecnologias já me imagino no youtube publicando nossas criações: Vó Su e netos, com foco na criatividade e nos valores

As ideias mesmo no distanciamento replicam e precisam se transformas em ações concretas.

Percalços

Ainda não consigo motivar a todos para a fé. Mas acho que é questão de tempo.

Alegria

Fico muito satisfeita em sentir que ainda sou querida e recebo afeto mesmo no distanciamento em que as ações estão ausentes. Mas acredito que o amor/ memória afetiva, uma vez construída permanece intacta.

Criança conhece bem e interpreta o adulto. Assim, temos muitas oportunidades para contribuir na sua construção como seres amados que acreditam em valores e na vida como algo precioso.


Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711