37 anos.png
37 anos.png
  
OPINIÃO

Dias nublados... Dias brilhantes

'Deixar cair as máscaras' passou a ter nova interpretação. Se anteriormente representava algo bom, hoje passou a ser uma ameaça

Por Sulísia Westphal Román


(Foto: Arquivo Pessoal) /

Olhando as duas imagens clicadas no mesmo espaço, Praia do Matadeiro, sul da Ilha de Santa Catarina, advém a perplexidade, o desconforto, a inquietude, a insegurança, o mal-estar, a sensação de asfixia diante do cenário com as nuvens. Mesmo colorido , acredito que essas são as sensações predominantes.

Nos remetendo ao contexto mundial, pessoas com máscaras, as semelhanças com os cenários da praia perpassam sem dúvida quem conseguir observar e recordar quando a normalidade eram as pessoas sem máscaras.

"Deixar cair as máscaras" passou a ter nova interpretação. Se anteriormente representava algo bom, hoje passou a ser uma ameaça.

Com as máscaras também é possível aprender. Aprender não somente sobre os cuidados necessários para uma proteção eficiente. Hora de aprender com elas uma vez que, o tempo em que andar sem máscara foi extinguido. Comprovadamente com máscaras menos risco de contágio

Atualmente, reparar nos diferentes modelos e tamanhos, também já é passado. A normalidade é encontrarmos todas as pessoas, de todos as idades e níveis sociais utilizando cuidadosamente seus novos adereços de segurança, respeitando as muitas recomendações. E quando isso não acontece a sociedade começa a se manifestar.

Hoje, considerando o tempo em que estão sendo utilizadas e cada vez mais conscientes de que vieram para ficar entre nossos pertences, a busca é por máscaras confortáveis e assim, as características criativas se sobrepõe ao constrangimento inicial.

Muito interessante um vídeo em que a sobrinha de Valda Maria Santana Braga compartilha a interessante reflexão da tia sobre as máscaras:

_" Você já percebeu que ao usar a máscara nosso nariz é puxado para baixo? De nada adianta ter um nariz empinado.

_ E que o nosso queixo é puxado para cima? Tudo nessa vida a solução não está para baixo. É preciso olhar para o alto. Levante a cabeça e perceba.

_ E puxa as nossas orelhas? São puxadas para a frente. Precisamos ouvir mais

_ E ela, a máscara tampa nossa boca para nos dizer para falarmos menos."

Assim, de maneira simples você pode ampliar o uso da sua. Que muitas outras ideias venham para escancarar portas e janelas de nosso cérebro. Pois mesmo com máscaras podemos ver e perceber os outros com mais sensibilidade e empatia.

Boa semana


Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711