ASemana 36 anos.png
ASemana 36 anos.png
  
CarlosHomem.jpg

Candidato


(Foto: Divulgação) /

Espero que meus amigos não fiquem magoados, mas não quero mais ser Prefeito. Desisto com pesar no meu coração da minha candidatura. Não tenho um mínimo de paciência para fazer campanha e para ficar digitando no celular. Tenho as pontas dos dedos grossas e arrebitadas, por isso teclo sempre as letras do lado junto com àquelas que queria. Não levo jeito, fico bicando com o indicador da mão direita como se fosse um pica-pau. Daí é aquela confusão! Aja saco!

Vou sair do grupo da turma que defende minha candidatura. Sei muito bem que isso é deselegante, mas não aguento mais. Ser candidato não é mole não. Ficam o tempo todo regulando a vida da gente. Perde-se o sossego. Viram a família do lado avesso. Desenterram resvaladas que demos há vinte ou trinta anos passados. Ou mais!

Daí, esse negócio de andar na rua rindo sem ter vontade, cumprimentando estranho como se fosse um velho amigo, abanando até pra varal de roupas, é dose. Não me agrada esse negócio de desidratar o adversário através das redes sociais. Também não desejo mudar minha personalidade e modo de ser. Se nunca mostro os dentes sem motivos, por quê teria que andar por aí arreganhado para bancar o simpático? Pior ainda, ficar escutando gracinhas que não tem graça nenhuma, e piadas infames.

Candidato não pode nem tomar uns pileques por aí, brigar nos bares e com a polícia, que todos se escandalizam e não aceitam explicações. Querem que o Prefeito seja o quê? Um anjo? Tenho pecados bem maiores que as virtudes. E não são poucos! Meus amigos vão entender!

Só de pedidos de uma "vaga", seja lá para "o que for", para eleitores ou seus parentes, tem que encher uma caderneta com anotações. Vão pro diabo, tropa de carrapatos! Afinal de contas querem que o Prefeito administre o município ou a vida particular de cada um?

Campanha política dá muito trabalho, e toda pessoa que trabalha tem sempre uma porção de vagabundos querendo viver às suas custas. E os dedos duros? As denúncias? Não se consegue nem fazer xixi nos muros que sempre tem um alcaguete para tirar fotografia e denunciar.

Neste mundo já não existe nenhuma lealdade. Não vale à pena ficar cavando a esmo, procurando sabe-se lá o quê. Então desisto! Encarcero meu ego. Até porque minha candidatura é de mentirinha mesmo! Não tenho habilidade nem diplomacia para ficar agradando companheiro rabugento, dengoso, emburrado, mordido, assim como eu. Não adulo ninguém! Tá resolvido, desisto! 


Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711