38 anos.png
38 anos.png
  
CarlosHomem.jpg
OPINIÃO

O bar

O bar nivela seus frequentadores, e por vezes os inverte


(Foto: Divulgação) /

No bar é onde nascem as gírias, os apelidos, as troças, os engodos. Ali são revelados os segredos, feitas as inconfidências entre uma cerveja e outra. O bar revela pensamentos extravagantes, filosofias sem ética ou lógica, experiências inúteis, anedotas infames e surradas, maledicências gratuitas, conselheiros metidos e indiscretos.

Ali são encontrados os mais exóticos exemplares da fauna humana. Frequentam aquele lugar os sabidos, expertos, gênios, tolos inocentes e os parvos. Curiosos e maledicentes, também. O bar é um taxo enorme onde se misturam num caldo só, as celebridades e os obscuros. O bar nivela seus frequentadores, e por vezes os inverte.

O intelectual tem suas teorias contraditadas pelo ignorante que, sob o efeito de alguns tragos, assume ares de conhecedor profundo sobre qualquer assunto, desde o infinito em expansão do universo até o trabalho do besouro na fertilização do solo. O trabalhador ali sofre pilhéria do vadio desocupado. No bar se vê de tudo. São lágrimas que vertem de olhos falsos e são risos que escarnecem das coisas sérias. Ali são compartilhados muitos queixumes e mágoas sob os efeitos etílicos.

Algumas vezes sóbrios. O duelo com o deboche, o sarcasmo, a ironia e o bullying é constante naquele ambiente. Sobram daqueles cochichos que todos ouvem, e os sigilos então são banalizados. No bar a bebida empresta valentia aos inseguros, desinibe os tímidos, excita os impotentes, rotula os céticos, estimula os que creem.

O bar é uma espécie de micro rede social onde se postam asneiras sem compromisso com a verdade, nem com o bom senso, revelando a própria burrice. Um local onde as conversas brotam fartas e fáceis. O humano gosta de conversar! Naquele ambiente ele se embrenha pela madrugada discutindo política, religião, cotovelos inchados, conflitos existenciais. Da vida alheia também!

No bar revelam-se as traições, os calotes, os embustes, os crimes. O bar é a síntese do cotidiano e onde muitos experimentam a vida. Um espaço social democrático onde não existe hierarquia, horários a serem cumpridos, responsabilidade de qualquer espécie. A sensação de liberdade é o atrativo maior do bar, porque ali não são exigidas as frescuras sociais que denominam de etiquetas, politicamente correto, discriminações raciais, normas rígidas de comportamento. O bar diploma o malandro!

Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711