38 anos.png
Zuquelo.png
OPINIÃO

Fase aguda

'Se mostram levianas as afirmações de genocídio...'

Por Elton Zuquelo



Após um ano de convívio com o coronavírus no Brasil e muitas informações ou suposições, parece haver chegado a fase de pico da contaminação. A ocupação hospitalar atinge nível máximo e em algumas regiões ocorre o colapso do sistema de saúde.

Por se tratar de agente desconhecido, muito se tem falado a respeito, externando cada profissional da ciência sua opinião que, muitas vezes, não se tem confirmado. Aqueles que anunciaram que chegaria um momento em que a contaminação atingiria números elevados, no alto da curva, para após iniciar a queda gradual, parece estarem com a razão. A esperança é que, chegado a esse ponto crítico, efetivamente inicie-se a escalada descendente.

 Há muita apreensão na população, bem como entre os profissionais da saúde, estes que se angustiam entre o quadro crítico de muitos pacientes e o receio de contaminação. Do mesmo modo, as autoridades públicas vivem dias de inquietação, preocupadas em atender a população, o que nem sempre se torna possível.

Causa perplexidade presenciar as afirmações contundentes de algumas pessoas, que atribuem o número de mortos no Brasil a esta ou àquela autoridade, como se houvesse uma relação causal clara entre a conduta de um governante e os óbitos havidos.

Primeiramente, há que se entender que grande número dos óbitos com a causa mortis Covid-19 ocorreria igualmente não fosse o vírus, em vista das comorbidades apresentadas por esses pacientes e que houve diminuição de mortes por outras causas. Em seguida, despontam ausentes omissões públicas no tratamento de pacientes acometidos pelo vírus, verificando-se grande complexidade no enfrentamento desse agente estranho, daí que se mostram levianas as afirmações de genocídio e outras mais inconsequentes.

A vacinação prossegue em ritmo compassado, com a perspectiva de um tempo relativamente longo até que toda a população seja imunizada, sendo necessária paciência na espera até a chegada do imunizante.

No âmbito do Poder Judiciário de Santa Catarina, sua cúpula diretiva, atendendo solicitação da Ordem dos Advogados do Brasil, entendeu de suspender todo o atendimento presencial e também as audiências por videoconferência, tendo em vista que, mesmo virtuais, esses atos judiciais acarretam a proximidade das pessoas, o que se mostra inconveniente neste momento grave.

Existe uma preocupação muito grande, também, com a economia, uma vez que a atividade econômica não pode parar, mantendo o nível de emprego, para que as famílias tenham assegurada sua mantença, especialmente nestes tempos de alto custo de vida. Enfim que é necessária tranquilidade no pensar e no agir, tratando-se de mais um evento que sacode a humanidade e que, por certo, tem uma finalidade maior que precisa ser compreendida.

Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711