38 anos.png
OPINIÃO

Repetição não, meu irmão

Por Katia Zilio

No texto escrito é muito comum escrevermos no fluxo do pensamento e não cuidarmos de alguns detalhes. Entre esses pequenos deslizes estão a repetição de ideias e de vocábulos.

A repetição de ideias acontece quando não sabemos muito sobre o tema e fazemos como o cão que "corre atrás do próprio rabo": dizemos duas ou três vezes o que dissemos uma vez. Não conseguimos argumentar e, por consequência, não há progressão no texto.

Já a repetição de vocábulos é causada por um vocabulário restrito ou descuidado. É importante que pensemos no leitor do texto e verifiquemos os termos mais importantes, aqueles que são imprescindíveis ao entendimento do que queremos dizer, pois esses são aqueles que geralmente repetimos.

Toda repetição faz mal ao texto? Não, porém certamente a língua nos reserva recursos para que digamos o que é necessário e usemos palavras diversas que realmente comuniquem e atinjam o objetivo do que se está escrevendo.

É fácil não repetir?

Dependo do tipo de repetição: a de ideias é necessário ler mais a respeito a fim de coletar mais dados e desenvolver mais argumentos sobre a temática.

A detecção da repetição e o uso de sinônimos ou ainda de mecanismos que a língua oferece como os pronomes pode favorecer a resolução desse problema.

A palavra IMPORTANTE, por exemplo, pode ser substituída por pertinente, oportuno, proveitoso, essencial, necessário, conveniente, elementar, etc.

A língua nos oferece muitas opções, cabe a nós, os autores, usar a melhor delas.

A Armadilha da Língua que ser menos repetitiva e mais oportuna... Contamos com a língua para isso!

Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711