38 anos.png
Murilo.png
OPINIÃO

Todos iguais, até surgir a diferença

'Eleição é uma batalha cruel'


(Foto: Divulgação) /

É que, dentro do processo eleitoral em curso vale vista d'olhos,  no geral, sobre os pretendentes a vereador ou vereadora. Ah, pois, após superar ranço antigo, quando este escriba moreno  via com maus olhos as candidaturas de pessoas mais simples, humildes, desprovidas de plumas sociais e nenhum dinheiro,  marchavam para as ruas, santinhos na sacolinha plástica e com coragem abordavam e abordam o povo para pedir-lhes o sufrágio.

Nunca se sentiram como bois de piranha, massa de manobra dos partidos, destinados a contribuir com os parcos  votos obtidos a fornecer o bendito ou maldito cociente eleitoral para eleger os que já estavam mapeado para a consagração. E por que assim? Porque em todos os momentos, a cada minuto da campanha lá estava, e está, no olhos brilhosos a velha e boa esperança.

Esperança em ser recebido, compreendido por seus iguais, entendido em suas propostas e plataformas, em seu desejo de servir o povo pela participação na vida pública. Claro que, de quebra, sempre presente, que ninguém é de ferro, um  olho na excelente remuneração e pouco trabalho. Mas então que temos e onde vamos? Temos que exatamente em tais candidaturas reside a beleza da democracia e a oferta da pluralidade de ideias a disposição do eleitor.

Um processo justo e nem sempre  respeitado pelas agremiações partidárias. Estas colocações são postas como homenagem a todos eles, homens e mulheres,  que agora estão a valorizar o processo eleitoral e enaltecer a nossa ainda incipiente democracia, democracia esta tão ameaçada  pelos truculentos e cultores do poder, sem peias e limites. 

Também os partidos olham com olhos diferentes para eles  e elas. Não mais usam de expedientes escusos para impedir ou solapar-lhes as campanhas. É a propalada igualdade de oportunidade e chances que a democracia prega e exige. Cristo ditou como bem-aventurados os humildes. Claro que ao final sempre  restarão decepções, mágoas, a descoberta de trapaças, o cabo eleitoral cooptado, o parente infiel e sensível ao vil metal. Vai  surgir a descoberta de que, infelizmente, não há lugar para os puros, os ingênuos e doces, pois eleição é uma batalha cruel. 

Mas continuem, não desistam, permaneçam na política e nos  partidos, pois sempre fica a esperança do aperfeiçoamento do ser humano.

Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711