38 anos.png
Murilo.png
OPINIÃO

Rei morto rei posto. Viva o rei ou (ainda melhor) a rainha

Claro que a coisa deu-se por acidente e por açodamento

Por: Murilo Machado


(Foto: Divulgação) 

É que, nestes tempos de pandemia, quando se pensa na magreza  de acontecimentos, no repente surge algo que, além de surpreendente, nos dá uma visão nova.

Pela vez primeira temos uma mulher à frente do Governo do Estado de Santa Catarina. Tanto se fala no empoderamento da mulher, etc. e tal, mais figura de retórica que fato real, mas que, por fim, aconteceu. Claro que a coisa deu-se por acidente e por açodamento. O governador agora afastado, por falta de assessoria e aconselhamento adequado, achou que podia resolver na canetada e acabou por melecar-se todo, pois esqueceu que aqui na terrinha o que vale para um, desvale para outro.

diabo da tal isonomia deveria receber o pitaco dos deputados e o governador, agora quase ex, foi na linha direta e borrou-se. Claro que a colegiado de juízes houve-se com prudência, inclusive ouvindo e observando a tal voz das ruas e, em assim sendo, encontrou as brechas necessárias para isentar a vice-governadora do mal feito e, com isto, evitou a dação do poder e mando para mãos que se reputa inadequada. E agora, José? Agora a distinta e pernalta governadora em exercício vai tratar de colocar digitais próprias na administração e conferir-lhe uma nova face.

A distinta já tem a  seu favor o fato de se encontrar sem filiação partidária, o que agora é uma vantagem, pois passa a ser cortejada, politicamente, por todas as siglas com assento no Parlamento Estadual, o que permite a nova chefe do executivo montar as composições de governabilidade sem as travas e cadeados da filiação. Agora a excelentíssima tem que dizer a que veio.

Observadores e analistas ditam que são  boas as possibilidades de ela acertar, sanear o Estado, e livrá-lo de alguns ranços, calça-pés adotados pelo Moisés. Aposta-se na mão  e sensibilidade da mulher. Resta saber se a governadora em exercício vai ter habilidade, cintura mole para driblar as estruturas viciadas, o empedernido dos hábitos antigos, o machismo ainda tão vivo e persistente. Dentre as providências iniciais, até para testar e  medir a febre, deverá montar equipe própria, com o seu DNA, pois é inútil guardar desnecessário respeito aos desenhos do ex, pois ex  é e assim deverá ficar. Saudamos com a melhor das boas vontades  e as mais saudáveis expectativas a assunção da senhora Daniela Reinehr.

Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711