38 anos.png
CarlosHomem.jpg
OPINIÃO

Precocidade

'Nada há tão barato como a vida, nada tão caro como a luxuria'

Por Carlos Homem


(Foto: Divulgação)


Passava todos os dias pela frente da minha casa. Bem apertadinha, empinada. Saltinho meio alto, não muito. Era emaciada e angulosa. Uma menina querendo ser moça. Uma moça querendo ser mulher. Mostrava sempre um sorriso assanhado e obsceno. Tinha pressa em ser adulta. Queimava, com celeridade, seguindo as tendências destes tempos, as etapas da vida.

Era visto. Com tanta precocidade logo desfilou por ali de mãos dadas com um namorado. Homem feito, maduro, avulso, mal cuidado. Quase molambento. Caminhava com aquela ginga que identifica o malandro. Era o que ela buscava. Um predador de plantão. Refletia-se na maioridade e nas experiências dele. Pobre menina. Tanta ânsia por viver e enorme cegueira ante a vida. Como se procurasse fugir das cautelas do tempo. O amor de adolescente não conhece a razão, só obedece ao entusiasmo.

Nem poderia saber, com tamanha inocência, que o mundo aos poucos vai desistindo da gente. Então sumiu. Fiquei muito tempo sem vê-la passar naquele seu surrado itinerário. Num final de semana bem gelado, com confessada má vontade fui atender a campainha do portão da minha casa. Uma senhora com a aparência sofrida, em breve e choroso relato pediu minha ajuda, escorando-se no fato de morar na minha vizinhança.

Queria pedir na justiça uma pensão alimentar em favor da sua netinha. Orientei aquela pobre mulher que mandasse sua filha no meu escritório munida com os documentos necessários. Há momentos na vida, em que o homem por mais enérgico e isento que queira ser, queda-se numa debilidade extrema. Aquela menina que transpirava vigor, cheia de vida, que há pouco tempo passava na minha rua, havia desabado. Estava em frangalhos. Perdera o brilho.

Demorei a reconhecê-la. A natureza é muito cruel. Cobra sem piedade as imprudências e os excessos que cometemos. A mulher é ainda muito mais vítima dessa cobrança já que a beleza física lhe é fundamental. Nada há tão barato como a vida, nada tão caro como a luxuria, nada tão exigente como a vaidade. A alma tem os seus vândalos e eles são implacáveis. Em quase nada pude ajudá-la. O homem, pai da sua filhinha, depois de sugar toda sua jovialidade e destruir sua autoestima, havia desaparecido. Mas ela tinha onde buscar forças, pois era jovem ainda. Acredito que tenha encontrado o seu rumo.     

Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711