38 anos.png
OPINIÃO

Aprendizes da Esperança


É o título de uma canção de Beto Fogaça e Kleiton Ramil de grande sucesso no final dos anos 80 gravada pela cantora Fafá de Belém. 

Mas antes de discorrer sobre o tema, me permitam queridos leitores, expressar toda minha felicidade que as poucas águas de março me trouxeram ao integrar a equipe do Jornal "A Semana". Nestes quase 25 anos de convivência com veículos de comunicação, sempre tive pelo jornal maior respeito, orgulho, carinho e admiração. Sentimentos estes que agora são redobrados, pois faço parte desse grupo de profissionais que dignificam a imprensa de Curitibanos e Santa Catarina. Gratidão a toda equipe pela acolhida. 

Enfim, vamos ao tema proposto para essa coluna. Em tempos de insegurança, medo, solidariedade, empatia. E como não poderia ser diferente, nos momentos difíceis: discórdia, egoísmo, intolerância e disputas por protagonismo. O exercício da esperança é um aprendizado diário. Nossa esperança necessita a cada amanhecer de uma injeção de ânimo. Está difícil, é luta solitária para não deixá-la padecer. A esperança é prima irmã da paciência. 

(Imagem: Divulação) /

Paciência... Tão esquecida no nosso tempo. Tudo é para ontem. O novo de hoje será velho amanhã. Perdemos a oportunidade mais doce de curtir cada momento que é mágico especial e não tem replay. Caminhar na chuva, dançar da forma mais ridícula possível, curtindo uma felicidade imensurável. Sentir a ternura de um abraço de amigos, pai, mãe, filhos. Curtir amanhecer ou pôr do Sol, não aquele de rede social. O pôr do Sol da paciência, viajar nas profundezas da alma e sentir a força divina que habita nosso ser. 

Como aprendiz, espero com paciência que este tempo nebuloso do agora traga na aurora de um novo dia, um novo homem, mulher, um ser mais humano que anda pelos campos, estradas e ruas olhando o horizonte estendendo a mão. 

Querido leitor, pode estar pensando. Era tudo que eu precisava!

Um texto motivacional! Vai pagar meus boletos, o médico, a farmácia, o mercado, meus funcionários? Não! Não tenho esta pretensão.

Até porque também tenho meus medos, angustias e boletos.

Me aproprio da canção. Somos homens e mulheres de todas as crenças raças e posses, aprendizes da esperança.

Na eventualidade desse momento demorar e sua paciência faltar.

Não liga, não. A sabedoria popular ensina: "a esperança é última que morre".


Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711